sábado, 31 de dezembro de 2011

ANO NOVO!



Se não tomarmos cuidados somos tragados pelo frenesi do ritual de passagem. nesse momento temos tendências aos excessos; ora compramos demais, bebe-se além do necessário e come sem moderação. Talvez pelo lado espiritual estar desalinhado tenta-se compensar e se refugiar numa festa que mais parece antidodo para o vazio existencial. Depois que o show passar, as luzes se apagarem e os fogos não mais estiverem riscando os céus e a decoração for retirada você é de novo devolvido sem cerimônia a realidade.

dr.marcos bersam

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

DEZEMBRO É SEMPRE IGUAL



O sujeito não cumprimenta o porteiro do prédio onde mora, não tem tempo de olhar no olho do menos favorecido economicamente; não acha necessário pedir por favor; sempre está a falar e julgar seu próximo. Quando chega dezembro pra ficar em paz com sua consciência compra um cesta básica doa e acha que está tudo certo. E o que é pior faz a maior propaganda de seu espírito solidário.

dr.marcos bersam

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

AONDE ESTÁ A ESTÁTUA DA RESPONSABILIDADE?


O que foi feito está feito. Não temos o antídodo para reverter o passado ou reinventá-lo. Então o que resta é apenas o presente, o hoje. E por isso temos que ser responsáveis; temos até a estatua da liberdade, mas deveríamos ter construído a estatua da responsabilidade também. Então lembre você é responsável pela forma que ama, pela forma que trabalha, pela forma que sonha; e por incrível que parece pela forma que sofre. Então sofrer sem dignidade acaba sendo um tormento ainda maior.

abraços.
Dr.marcos bersam

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

VIVEMOS ESPERANDO!



vivemos esperando o remédio mais potente
o antidepressivo mais eficaz, a cirurgia plástica, a aprovação no vestibular; o amor impossível. E nessa negligência com o tempo o mesmo segue veloz encurtando prazos; confiscando prioridades. Então que o ano novo possamos esperar menos dos outros e contar mais com quem de fato pode mudar tudo: VOCê.

dr.marcos bersam

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Chuva e mais chuva!



olá amigos quem sabe nessa chuva de fim de ano não consigo colocar em dia minha leitura
me propus a não comprar mais livro nenhum enquanto não colocar a leitura em dia. Então esse fim de ano vai ser diferente pra mim. Muita leitura, chuva e descanso.

abraços.
dr.marcos bersam

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

FRASE DO DIA


"Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me elogiam, porque me corrompem."
Santo Agostinho

Na verdade nos olhar no espelho e ver nossas cicatrizes não é nada agradável, pois nosso narcisismo se ressente, nossa vaidade e orgulho também tangenciam a lembrança de que não somos tudo que imaginamos. Em contrapartida podemos fazer disso um triunfo pessoal ao reinventarmos um novo sentido para nossas condutas; pensamentos e emoções, ou seja podemos recomeçar e fazer diferente independente das criticas ou dos elogios sendo guiados apenas por nossa consciência.

dr.marcos bersam
crp 04.12182

domingo, 4 de dezembro de 2011

Alcione - Estranha Loucura

QUEM NÃO TEM UMA ESTRANHA LOUCURA?

O que mais gosto na Alcione é que sinto que ela canta primeiro pra ela e por ela. Então nesse emaranhado de autenticidade das emoções a arte se faz inconfundível.

bom fim de semana a todos os amigos do blog.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

FRASE DO DIA.



"O urgente geralmente atenta contra o necessário." (Mao Tse-Tung)

Tal discernimento nos evita o arrependimento. A culpa quase sempre nasce da confusão e do dilema entre o que deve ser priorizado, ou seja o que deve ser eleito como fundamental.. Para alguns coisas materiais são necessárias; para outros coisas que não são tangíveis pelos sentidos. As pessoas felizes não titubeiam entre o necessário e o urgente. Acreditamos que o necessário pode ser adiado; ou seja nossa felicidade, a qualidade de vida, as férias merecidas, a saúde, o amor. Em nome do urgente adiamos o necessário só que muitas vezes a imprevisibilidade da vida nos confisca o futuro nos deixando refém dos nossos planos. E aí não temos mais a possibilidade de desfrutar do que importa: o necessário.

facebook: psicólogo marcos bersam

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

FRASE DO DIA



"rico não é quem tem mais, mas aquele que menos necessita"

Amigos são coisas totalmente diferentes. E isso vale não só para o lado monetário , mas emocional e espiritual. De modo geral o neurótico é o faminto e o necessitado, seja de reconhecimento, afeto, amor ou sentido existencial. E por isso que quase sempre a conta bancária , o cartão de crédito ou o antidepressivo não traz o alívio esperado.

boa semana a todos amigos do blog.
No face Psicólogo marcos bersam

domingo, 27 de novembro de 2011

FRASE DO DIA



"O homem comum fala, o sábio escuta, o tolo discute."
Sabedoria oriental

Então podemos dizer o seguinte: por isso debater política e religião é uma terra para os tolos de plantão. Não aumente ainda mais essa legião. Ser incomodado ou querer catequizar o outro muitas vezes revela insegurança nas suas convicções.

Amigos do blog caso queiram me adicionar no face anotem psicólogo marcos bersam será um prazer tê-los como amigos

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

FRASE DO DIA



"Os infelizes são ingratos; isso faz parte da infelicidade deles."

Victor Hugo


Amigos internautas.
Experimente agradecer tudo; pois até mesmo o sofrimento serve para um sentido existencial. Então muitas vezes queremos; mas nosso querer nada mais é do que fruto de nossa imaturidade. Na verdade o querer pouco importa o que vale é o que precisamos. E quase sempre somos providos do necessário.

Dr.marcos bersam

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

EM QUE FASE VOCÊ ESTÁ?



LUA ADVERSA


"Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases como a lua...)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu..."

Cecília Meirelles

terça-feira, 8 de novembro de 2011

ESQUEÇA DOS PROBLEMAS....

olá amigos internautas. Até pensei em escrever algo novo; mas como não sou tolo e sei que não devo abusar mais do que tenho abusado da paciência de vocês. Então nessa véspera de feriado que tal esquecer um pouco dos problemas que com certeza não ficarão maiores do que já estão. Então relaxe e tente curtir o feriadão com a musicalidade de Arlindo Cruz.

abraços.
Dr.marcos bersam

Arlindo Cruz - Meu Lugar (MTV ao vivo)

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

ARTIGO DO MÊS NOVEMBRO 2011



.

NÃO TERMINO NADA QUE COMEÇO!

Olá amigos internautas é sempre a mesma coisa; não demora muito sempre aparece um cliente no consultório que vem com esse aforismo. Quando não é no consultório o incomodo torna-se maior ao ouvir uma mãe dizer pra mim “meu filho não faz isso porque não gosta”. E logo em seguida não precisa ser psicólogo para ver que a velocidade de começar é só menor do que o desejo de parar de fazer. E aí temos cada vez mais crianças educadas na pedagogia do gostou, fez ou não gostou, parou. E o incrível é que aparecem aqueles psicólogos que garantem que fazer sem vontade traumatiza. E por falar em traumatizar o palavrinha mal usada; mas isso é outro tema para um próximo artigo. Talvez por isso hoje em dia sejamos muitos bons para falarmos em direitos e muito débeis para entendermos deveres. A geração de hoje aprende com muita facilidade que ela tem direitos; são tantos direitos que nem mais sei qual o mais recente. Haja vista a quantidade de estatutos. A educação de hoje é centrada na idéia de que o princípio do prazer deve ser dilatado cada vez mais. É gostoso então faço. Se não é gostoso não é preciso fazer; ou melhor, posso ter a opção de deixar de lado ou adiar, contudo com a anuência dos pais. Não fazer só o que queremos é o principio da civilização; alguns valores e normas não podem ser negociados. Ou seja, você deve ser educado, desenvolver a cortesia; pensar no outro; entender a noção de limite, respeitar; ter disciplina. Na verdade se você fizer o que gosta estará fadado a deixar enraizar em você sua natureza primitiva e animalesca. Uma das formas de não terminar algo é querendo fazer tudo ao mesmo tempo ou não sabendo o que se quer. Quando não tenho uma meta tudo se torna atrativo e essa volatilidade de vocações esbarra na falta de foco e de metas. Querer sem ter estabelecido o que, quando e de que forma atingir é a forma mais fácil de não ter sucesso. E não ter descoberto sua vocação fará mais cedo ou mais tarde não ter forças para continuar e deixar abater sobre você a prostração. Ser generalista e não usar a especificidade é um perigo quando o assunto é objetivo e metas. Vamos dizer que você quer emagrecer; tudo bem, mas de que forma? Quanto? Em quanto tempo? Por qual motivo? Com ajuda de quem? De que maneira? A pirraça usada pelas crianças para evitar algo na vida adulta se transforma em condutas de adultos que fazem mal feito ou pela metade suas tarefas. Então é aquela velha estória sujeito faz um curso aqui, faz outro ali, começa muito inspirado hoje e amanhã desmotivado. Então temos aquela velha situação o sujeito teve sucesso porque fez o que gostava ou aprendeu a gostar do que fazia. Antes de gostar temos de conhecer, interagir, experimentar. Ninguém escolhe um destino de sua viagem de fim de ano pensando no motorista ou no piloto. Eles são parte da viagem sim, mas com certeza você não saberá o nome dele, não irá tirar fotos com ele e nem precisa gostar dele para ele te levar até o destino. Certo? Estou falando isso; pois temos jovens escolhendo ainda a profissão pensando em que disciplina escolar tem afinidade. Tais motivos são medíocres demais numa escolha; ninguém escolhe ir para o fim do mundo porque o piloto do avião tem os olhos azuis. Gosto de português farei isso, gosto de história faço aquilo, mas tem a matemática. A profissão tem que ser escolhida por um sentido maior não tão pequeno. A profissão tem que ter um propósito e tem que reunir a capacidade de proporcionar mudança na vida do outro. A profissão tem que ter entusiasmo, paixão, justiça, utilidade e sentido existencial. A capacidade de escolha de muitos sempre ficou embotada. De modo geral quem vai nos ajudar também não escolheu nada. Então as suas motivações não podem depender de estar gostando ou não; imagine se a sua capacidade de motivação estiver atrelada a algo tão volátil como prazer. Nunca se fez tanto o que se queria e nunca se teve tantas pessoas frustradas como hoje em dia. Nunca se teve tanta liberdade de escolha e nunca se ficou tão sem saber qual caminho seguir como nos dias atuais. Faculdades e cursos crescem na mesma velocidade da insatisfação profissional. Tem a máxima que gosto muito que o sucesso só vem antes do trabalho no dicionário; na vida de modo geral o sucesso é colhido depois de muito esforço; disciplina; tenacidade e isso não é gostoso é muitas vezes doloroso. Na verdade muitos não terminam porque na verdade nunca começaram de verdade, imagino ser mais fácil dizer e afirmar que não terminou; pois quando falamos isso pressupomos que pelo menos tentamos. Alivia nossa culpa causada pela inércia e encarnamos o papel de vitimas. Eu sei que muitos vão discordar, mas começar pra mim é muito mais do que desejar, tentar ou arriscar. Ou apenas emprestar seu corpo a uma situação sem o entusiasmo, ímpeto e disciplina necessário. Quem sabe não falta você rever se você não termina nada que começou porque de fato nunca teve um começo?

Dr. Marcos Bersam

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

ARTIGO DO MÊS.

DESISTIR, FRACASSAR OU PERSISTIR

É sempre a mesma coisa não demora muito alguém fala: Eu desisti não estava dando certo! Seja em relação a um trabalho, um relacionamento ou uma idéia. De modo geral a empolgação de outrora cede lugar a prostração e ao desanimo. Na verdade fica a dúvida qual a linha que demarca a fronteira entre a sensatez de jogar a toalha e a falta de fé ou motivação para continuar. Na verdade muitos desistem dos sonhos e pensam que fracassaram; pois assumir um fracasso não é tarefa fácil. De certa forma desistir não é tão humilhante para a sociedade tal como a palavra fracasso; ou seja, desistir torna-se um atalho para não ser estigmatizado de fracassado. Imagino que vocês vão concordar que os fracassados de hoje são os desistentes de ontem. Afinal primeiro devemos definir o fracasso; enfim de que fracasso estamos falando? Do monetário, do afetivo, do profissional; espiritual ou existencial. De modo geral o sucesso numa área não convive com o fracasso em outra. Hoje em dia parece que o objetivo maior é o sucesso do ter; ou seja, acumular, disputar e esmagar o concorrente é a didática dos tempos atuais. Então o materialismo cada dia aumenta a legião de fracassados de plantão e uma vez amargurado com sua desistência o sujeito se vê compelido a arrastar mais alguém para comungar o mesmo sentimento de derrota e fracasso. Afinal a dor sentida junta isenta nossa culpa e responsabilidade sobre a inércia adota por nós. Enfim podemos dizer que definimos fracasso pela via da comparação; ou seja, o outro é a minha baliza é o indicador de quanto tive de sucesso. Com isso quase sempre adotar essa filosofia leva você a desenvolver a inveja e não ter como ponto de parâmetro você. A inveja joga um anestésico em sua alma. Podemos dizer que entorpecida essa última fica a deriva alimentada pela raiva e frustração. Acreditamos fracassados muitas vezes por estarmos alienados pela vontade do outro. Vejo pessoas que desistem porque não tem seus sonhos, apenas buscam o que lhe disseram ser mais sensato e oportuno. Então estudo e faço um curso superior pro meu pai, estudo porque todos na minha família estudaram, permaneço casado porque tenho filhos. Os fracassados de ontem são forjados na severidade da educação familiar dos dias atuais; onde o improviso não tem lugar e o erro é satanizado pela pressa capitalista de que tempo é dinheiro. Na verdade antes de acontecer o fracasso somos tangenciados pelo marasmo, pela falta de entusiasmo e pela ingratidão. E nessa confusão de conceitos vejo muitas crianças sendo educadas pensando que ter sucesso é ter fama; olha a confusão está formada. A fama pode vir a um preço muito alto; mas o sucesso não necessita da fama. Acredito que todas as pessoas bem sucedidas entendem os pequenos progressos, as conquistas singelas. A pessoa de sucesso não quer romper uma linha de chegada; pois muitas vezes isso é o primeiro passo para a aposentadoria existencial compulsória. E você pode atingir a fama sem ser bem sucedido. A fama hoje quase sempre pode ser financiada pelo cartão de crédito já o sucesso tem a ver com sentido, com o propósito que cada um atribui a sua vida. O sucesso não compactua com inutilidade existencial. O sucesso não é medido pela conta bancária ou através da velocidade que se troca de carro. A busca da fama obsessiva muitas vezes é para aplacar o complexo de inferioridade e a sensação de menos valia. Sentir-se invejado alimenta a alma já enferma ha tempos. Na verdade somos convidados a sempre imaginarmos que estamos a um passo do fracasso por não termos a fama. A fama é a vontade infantil de ser reconhecido; seja através da face book; seja através da lipo; ou seja, pela prótese de silicone recentemente financiada. E quem sabe que aí entra o conceito de perseverar que é pouco difundido; não somos ensinados a ter persistência. Temos que entender que esse conceito faz você trabalhar sem se preocupar com o resultado imediato. Na verdade a pressa de modo geral não permite perseverar. Quando temos pressa entendemos que não chegar no tempo que imaginamos a um objetivo é fracassar. O fracassado tem olhos para o que falta; ele na verdade carrega consigo a ingratidão renitente. O fracassado de plantão não é muitas vezes abençoado por ele amaldiçoar-se a si mesmo sem a intencionalidade do silêncio de sua insatisfação permanente. Então quando você não está ansioso e quer dar o melhor de si e empreender forças para lutar um pouco mais independente do tempo traçado mentalmente você consegue verdadeiros milagres. Então aquela velha estória já faz tanto tempo e nada; tenho que me formar até tantos anos; tenho que passar no vestibular; tenho que vender essa quantia em tanto tempo; tenho que casar até tantos anos; tenho que ter filhos até tal época. E como já dizia o velho Freud “se não quiséssemos ser tão bons seriamos melhores”. Quando fazemos o dever de casa diário e esquecemos momentaneamente que temos que ter sucesso; que precisamos da fama; que necessitamos de resultados a vida conspira a nosso favor. Na verdade muitos que chegaram ao topo são os que fracassaram momentaneamente; mas reuniram forçar e persistiram um pouco mais. O fracasso pode ser pedagógico e nos fazer crescer, amadurecer. Na verdade pessoas persistentes não são insistentes; pois essas por sua vez são tolas e não usam a capacidade de parar um pouco e refletir. Costumo falar o seguinte a diferença de insistente e persistente é a seguinte. Imagine dois amigos pescando o insistente quer pegar peixe num determinado local o outro muda; para; contorna o rio, lança a rede a noite, providencia o barco para ir para águas mais profundas. O rio é a vida; precisamos saber explorar as margens; as águas profundas. Entenderam? Os insistentes não demoram estufar o peito e dizerem: Eu tentei! Eu fiz tudo! A vida foi ingrata comigo! O insistente também se torna um fracassado que tem até um orgulho neurótico de sua derrota. Na verdade ser persistente às vezes é parar e mudar a estratégia; deixar o orgulho e a soberba de lado. O persistente não busca o sucesso por isso não encontra a derrota; ele não desiste porque sabe e tem certeza de que ele é responsável em grande parte pelos resultados. É difícil afirmar, mas a chance de você ter desistido ou insistido e muito maior do que a ter fracassado.

Dr.Marcos Bersam

olá amigos visitem o site www.marcosbersam.com.br e se puderem comentem os artigos. E pessoal paciência com a demora as vezes em postar algo novo. Mesmo que vocês não gostem sempre será no mínimo original.....rs. Estou postando no youtube uma série de videos sobre ciúme.

sábado, 22 de outubro de 2011

DOENÇA DO AMOR


ELE TEM CIÚME DE MIM PORQUE ME AMA. SERÁ?

Olá minha meia dúzia de leitores do site. Devo confessar que sempre sou sabatinado sobre esse tema nos lugares mais impróprios. Para entendermos ciúme temos que falar de inveja, raiva, complexo inferioridade, rivalidade; insegurança, infantilismo, culpa e principalmente medo. Podemos dizer que o medo vai mudando com a idade; ou seja, a criança recém nascida tem medo de barulhos altos e inesperados e aparição súbita de máscaras ou rostos que não sejam familiares. Uma criança por volta dos 06 anos tem medo do escuro ou do bicho papão já o adolescente tem medo da reprovação grupal ou do constrangimento social ocasionado quase sempre pelos pais, ou seja, os famosos “micos”; levar o filho na festa; buscá-lo na saída da balada. A mulher de 30 anos; as balzaquianas, de não casar; e o ancião medo da morte e da solidão. Com isso percebe-se que o medo ganha nuances de acordo com o período existencial do sujeito. Então podemos afirmar que o ciúme é a doença do amor e do medo. Como falei anteriormente um medo diferente, nesse caso medo do abandono, medo de ser preterido; medo da rejeição e de não ser suficientemente bom e atraente para o outro. A origem remonta a vida pregressa do sujeito ter sido ladeada de estórias de abandono; maus tratos; abusos sexuais; doença e risco iminente da morte de um dos pais ou o complexo de Édipo mal resolvido. E quando o sujeito ingressa na vida adolescente e adulta e começa a se envolver afetivamente com um parceiro tais medos que estavam latentes se atualizam de maneira exponencial nas relações. Podemos dizer que as crises de ciúmes de hoje nasceram num passado bem distante e que a tentativa de proteger o relacionamento é uma forma desesperada de reparar as cicatrizes emocionais de outrora. O ciúme é um conjunto de reações frente a uma ameaça real ou imaginária; podemos dizer que todo sujeito medianamente “normal” tem noção do perigo. E aí nos preparamos para lutar ou fugir. Só que algumas pessoas ficam alarmadas por situações apenas imaginárias. Há uma desproporcionalidade entre a ameaça e o perigo real. Imaginemos que você é assaltado; ou atacado por um animal feroz diante dessa situação há um perigo real que justifica toda a conduta de pânico; mas ao contrário você vê uma borboleta ou uma barata e fica sem voz; taquicardia; sudorese e em estado catatônico. Na verdade a ameaça é imaginária e desproporcional ao fato. É isso que a Psicologia chama de neurose. O ciumento sataniza o rival; ora sendo a família; ora o trabalho ou mesmo uma pessoa. O ciumento patológico sempre sabota o crescimento existencial do seu parceiro; pois sabemos que para evoluir precisamos da liberdade e essa traz consigo insegurança e riscos. E isso é tudo que o ciumento quer evitar. O controle da situação é buscado a todo custo. Ele costuma dizer e querer afirmar que é bobagem a mulher malhar; trabalhar fora de casa; ou ter amigos. Ou seja, o ciumento quer escolher as amizades; os programas; os lugares que a pessoa possa freqüentar. Ele pretende oferecer tudo; mas tal conduta não é porque ele é bonzinho; mas por não tolerar a sensação de perda; de descontrole, de risco. Com isso o ciumento acaba procurando deixar o outro sempre dependente dele; seja emocionalmente ou economicamente. Na verdade pode até parecer demonstração de amor, cuidado ou zelo. Só que no fundo o ciumento está preocupado apenas consigo mesmo. A fragilidade egoica e a sensação de insegurança renitente aliada à frustração e raiva do rival fazem com que ele queria se certificar de que jamais será traído. Com isso muitos ciumentos querem e ficam insistentemente querendo saber do passado, de detalhes da vida sexual de seus parceiros; na verdade isso faz com ele não aquiete suas dúvidas. Quanto mais ele pesquisa mais aumenta sua insegurança ele está sempre insatisfeito quanto a inquisição. Quando falamos de ciumento sempre tem um terceiro elemento, um rival. É interessante que ele na verdade está mais preocupado com esse do que com si mesmo. Na verdade por isso dizemos que o ciúme tem um primo próximo que é a inveja. O ciumento tem em si latente a inveja do outro; ao eleger o rival como inimigo ou como algo a ser evitado ele acaba assinando sua condição invejosa. Sempre digo que a inveja é a admiração não verbalizada; o despeito toma conta de você. Um jeito muito eficaz de combater a inveja é admitir que você tenha muito a aprender; que o outro é realmente bom no que faz e pode ser tido como exemplo. É como se o ciumento quisesse ser o rival; na sua fantasia ele sim possui atributos mais interessantes que possam despertar o interesse de seu parceiro. Ou seja, ele elege o outro como mais interessante; capaz; belo, forte, sensual, inteligente. Só que de modo geral o ciumento não tem consciência disso e age com extrema agressividade em relação ao rival; seja falando que o trabalho do parceiro é uma porcaria, que fulano é pobre; que a família não vale nada; ou seja. A pessoa ciumenta tem um orgulho incrível ela diante da ansiedade de menos valia e insegurança engendra mecanismos narcísicos para se iludir e pensar é tudo o que sabe não ser: competente; seguro; assertivo; forte; maduro. Diante do menor erro do outro ele é categórico em achincalhar; humilhar; julgar; agredir sem a menor compaixão. Na verdade a vontade de diminuir o outro e se colocar como o máximo é fruto também de sua neurose. O ciumento também sofre de orgulho; ou seja, para evitar perceber suas limitações ele purpurinaza seu ego. E não precisa ser psicólogo para afirmar que o ciumento patológico é egocêntrico. Ou seja, podemos dizer que em nome do amor e do cuidado ele não se contenta com a felicidade do outro. Na verdade quando o parceiro deseja crescer e viver o ciumento começa a ficar ansioso e incomodado. Temos que dizer também que o ciumento parece captar quem ele deve eleger como parceiro; ou seja, parece que o parceiro do ciumento autoriza de modo inconsciente que ele exerça total controle. Vocês devem ter escutado: vou ver com meu marido se posso fazer isso; se posso voltar a estudar, se posso me matricular em tal curso; se posso. Na verdade temos o que merecemos o parceiro do ciumento quase sempre deu uma procuração em branco para o outro ser dono de sua vida. Nessa confusão de sentimentos o ciúme não prova nenhum amor; o ciúme prova simplesmente o desrespeito ao outro; o apego; a insegurança; o infantilismo da relação. O ciúme pode e vai acontecer sim, pois somos seres com nossas limitações e medos; mas o ciúme para ser normal deve ser passageiro, pontual e transitório e não impedir o crescimento e felicidade do outro. Então o ciúme é como um tempero na relação; na verdade se você for preparar um prato terá necessariamente de colocar o sal; mas a medida exagerada pode comprometer todo o paladar. E aí sabemos que tudo o que fora feito até o momento fica perdido. Seja ciumento da mesma forma que utiliza o sal; não exagere na dose e nem esqueça que a ausência dele faz com que qualquer iguaria perca a graça.

DR.MARCOS BERSAM

AMIGOS VISITEM O SITE WWW.MARCOSBERSAM.COM.BR LÁ VOCÊS ENCONTRAM MAIS ARTIGOS ESCRITOS POR MIM. CONTO COM VOCÊS TAMBÉM PARA SEREM SEGUIDORES DO BLOG.

OBRIGADO A TODOS.

domingo, 16 de outubro de 2011

NOVIDADES


OLÁ AMIGOS DO BLOG.
QUEM NÃO CONHECE UMA PESSOA CIUMENTA? ESTOU PREPARANDO UMA SÉRIE DE VIDEOS NO YOUTUBE PARA ABORDAR ESSE TEMA TÃO PRESENTE NAS RELAÇÕES AFETIVAS. NESSE VÍDEO VOU ABORDAR AS NUANCES E MECANISMOS QUE PERMEIAM A RELAÇÃO DO CIUMENTO COM SEU PARCEIRO. ESTÁ FEITO O CONVITE EM BREVE NO YOUTUBE

ABRAÇOS.
DR.MARCOS BERSAM

"O ciúme é mistura explosiva de amor, ódio, avareza e orgulho."

terça-feira, 11 de outubro de 2011

CARTILHA DO AMOR!


NINGUEM VAI TER AMAR COMO EU!

Olá amigos internautas estava quase me dando por vencido. Afinal não vinha nenhuma inspiração que pudesse reverter tal marasmo intelectual. Então a segunda feira tinha começado a mil por hora; quando pinço de alguma fala de um dos meus clientes tal assertiva: “NINGUÉM VAI TE AMAR COMO EU”. E de modo repentino minha memória dava sinais de que a mesma me soava familiar; ou seja, havia ouvido isso em outros atendimentos e fora do setting analítico também. Na verdade muito melhor do que escrever algo do nosso cotidiano é ler o que reconhecemos como familiar. Então fui tomado por uma sensação de alívio momentâneo; pois afinal o tema tinha tomado forma. Na verdade essa frase tem época e data pra acontecer. A mesma não é ouvida assim sem mais nem menos. Quase sempre ela é dita quando há uma assimetria de interesses; ou seja, quando alguém sente que está prestes a ser deixado pelo companheiro. Numa tentativa desesperada de dar uma sobrevida à relação que está desgastada e em crise. Na verdade quem diz tal frase se autodenomina conhecedor da natureza do outro, estranhamente ele se permite assegurar que ninguém mais presta. Ou que não há nenhuma pessoa no mundo que reúna as qualidades ora propagandeadas. Nessa etapa é como se ele jogasse confetes em si mesmo. Uma espécie de resquício do narcisismo infantil. O pensamento mágico funciona como um oráculo; na medida em que propõe profetizar sobre o futuro. Na verdade muitos que dizem tal frase acabam entendendo que é um favor estar na relação. Na verdade esse mecanismo esconde uma insegurança de ficar só; na verdade a frase poderia ser dita a avessa da seguinte forma: “tenho tanto medo de nem você mais querer ficar comigo”; pois tenho dúvidas se sou mesmo interessante e merecedor de ser amado. Na verdade a projeção se faz presente quando coloco no outro coisas que dizem respeito A MIM. É muito comum numa relação uma das pessoas fazer tudo pelo parceiro não por amor; de modo geral muitos fazem tudo por medo; ou seja, quando faço tudo e não deixo o outro andar com suas próprias pernas acabo sabotando a capacidade do outro acreditar em si mesmo. Então ser “bonzinho” é conveniente na forma de dominar subliminarmente o outro, logo se cria uma dependência que faz eu realmente ficar em dúvida se é capaz. Às vezes algumas clientes dizem “fulano é tão bom! Será? De modo geral quando ouvimos a frase “ninguém te amará como eu” a emoção tangenciada é: “ninguém se sacrificará tanto por você como eu”. Então na verdade a idéia do amor ser um sacrifício, uma dor acaba confundindo os apaixonados. Enquanto amar deveria ser promover o crescimento integral da pessoa e para isso a liberdade é condição inegociável. E não será estranho se nessa lógica do amor emoldurado pela dor eu pedir também que ele se anule; ou seja, que ele fique comigo pelo medo. Então temos várias pessoas que reagem a tal frase pensando: Tenho medo de me arrepender; de não encontrar alguém que me faça feliz ou alguém que se sacrifique por mim. Está montada a equação paralisante da neurose: “amo logo devo sofrer” e o termômetro disso é a emoção do medo. Então com certeza ninguém tem a capacidade de amar igual ao outro; cada amor será diferente; cada começo único, mas nem por isso melhor ou pior apenas diferente.

DR.MARCOS BERSAM
VISITE O SITE WWW.MARCOSBERSAM.COM.BR
ARTIGOS NOVOS, FILOSOFIA, PENSAMENTOS E VIDEOS.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

FRASE DO DIA


"A Gratidão de quem recebe um benefício é sempre menor que o prazer daquele que o faz"

Machado de Assis

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

AGRADECIMENTO


OLÁ AMIGOS. QUERO AGRADECER A TODOS VOCÊS QUE ME AJUDAM A DIVULGAR MEU SITE WWW.MARCOSBERSAM.COM.BR EM TODA INTERNET. HOJE MEU SITE OCUPA UM LUGAR DE DESTAQUE NO CENÁRIO NACIONAL. EM BREVE UMA SÉRIE DE NOVOS VIDEOS ABORDANDO AS NUANCES DOS RELACIONAMENTOS CONTEMPORÂNEOS.

ABRAÇOS.
DR.MARCOS BERSAM

FRASE DO DIA


"No meio de qualquer dificuldade encontra-se a oportunidade. "( Albert Einstein )

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

A ARTE DE OUVIR É A MESMA DA AJUDA

A ARTE DE OUVIR.

O neném já mal vem ao mundo e a família toda está aguardando ele balbuciar. E quando ele consegue construir pequenas silabas é uma felicidade só; alguns até disputam o que ele vai dizer primeiro. Então a fala é algo valorizado por ser algo mensurado; e quantificado. Então não resta nenhuma dúvida de que falar é extremamente valorizado; mas o que não tem todo esse glamour é o desenvolvimento da capacidade de ouvir. Não sei por que parece que escutar e ouvir não necessita de um processo de maturidade; quem sabe por que ouvir não interessa muito ao capitalismo; ou seja, ninguém acredita que ouvir produza, venda, ou gere lucro. Somos incentivados muito pouco a escutar; na verdade nesse mundo onde temos mais falantes do que ouvintes realmente fica parecendo que ouvir é algo desnecessário. Hoje o importante é falar mesmo que numa quantidade muitas vezes que justifica as inúmeras asneiras ditas. Não sei se vocês já notaram tem gente que fala tanto de sua vida; que na verdade se expõe de modo perigoso; algumas pessoas não conseguem ficar caladas e tem que falar de projetos, sonhos e conflitos. Então tudo é verbalizado de maneira compulsiva. E nesse afã fala-se da vida alheia com uma desenvoltura impressionante, ora para aumentar, modificar ou omitir os fatos. Falar é fascinante porque recriamos a realidade de acordo com nosso interesse. Na verdade quando falo não me permito me escutar. A língua funciona como antídoto para eu impedir recobrar a consciência de quem sou. Com isso os pais incentivam os filhos a falarem cada vez mais; se possível mais de um idioma; pois revela inteligência, desenvoltura; desinibição. Na verdade quando nós estamos precisando de ajuda precisamos falar sim, mas não para qualquer um. Na verdade ouvir requer uma arte; já dizia uma pensadora “a arte de ouvir, é também a ciência de ajudar”. O homem precisa saber que tem alguém que possa ouvi-lo de verdade; quando isso acontece na verdade somos elevados a um patamar de importância. Ou seja, quando ouço o outro estou dizendo pra ele nas entrelinhas como este é importante. Então fico a me perguntar se não tivéssemos mais ouvintes também não teríamos menos suicídios, depressões e os antidepressivos e até mesmo menos psicólogos e psiquiatras. Na verdade a arte de ouvir não é valorizada porque quem escuta faz um trabalho anônimo, na verdade quem ouve não aparece; não faz estardalhaço; não liga muito pra esse negócio de exibicionismo. De modo geral quem ouve é discreto e faz sua tarefa sem muito alarde. E na verdade isso é de grande valia para quando você precisa de ajuda; de modo geral você vai dizer eu ouço sim; dou conselhos. Então quem dá conselhos na verdade não sabe ouvir; finge que ouvi; mas na verdade quem aconselha por mais bem intencionado está na verdade não escutando o que o outro está a dizer. Aconselhar nada mais é do que a forma discreta de assumir que ainda não aprendeu ouvir. Quando ouvimos de verdade temos que abandonar a arrogância de que sabemos o que é melhor para o outro; ouvir é saber que cada um tem um tempo próprio. E que conselho não promovem saltos na capacidade de evoluir e muito menos na forma de resolver os conflitos. montes. Então quer especializar nessa arte; cale-se enquanto o outro fala; ouvir não te dá o direito de apontar, julgar ou aconselhar. E é por isso que acredito que a prece e a oração sincera provocam realmente efeitos curativos, haja vista que na oração Deus se cala e se emudece; deixa você falar; chorar; reclamar e quando você menos espera aquela aflição ficou menor. E para sua surpresa ,quando você emudece permite que o outro se escute, na verdade seu ouvido aberto permite que o mesmo funcione como uma câmara de eco; na verdade quando você ouve de verdade não só você ouve; mas você convida seu interlocutor a se escutar. E o mais importante é saber que o passaporte para a compreensão e a empatia é deixar o outro falar sem interrupção. Desse modo podemos ter mais êxitos em perdoar. E hoje se sabe que esse gesto é a maneira mais elementar e barata de promover saúde psicológica. Não importa se você ouvir o outro ou a si mesmo; de qualquer jeito o convite está feito fale menos; escute mais e ajude sem hesitar.

Dr.Marcos Bersam

terça-feira, 6 de setembro de 2011

PRECISO DE UMA GENTILEZA DE VOCêS!


OLÁ AMIGOS DO BLOG GOSTARIA DE CONTAR COM VOCÊS PARA ME AJUDAREM A DIVULGAR TAMBÉM O SITE WWW.MARCOSBERSAM.COM.BR
MUITO OBRIGADO E EXCELENTE FERIADO.

DR.MARCOS BERSAM

domingo, 4 de setembro de 2011

sábado, 3 de setembro de 2011

FIZ TUDO POR ELA!


Divã alinhado na posição costumeira e minha poltrona bem confortável me permite despojar meu corpo e afrouxar minha atenção. Estou falando da velha atenção flutuante recomendada por Freud; enfim nesse ínterim que nós terapeutas tentamos entrar na mesma sintonia que o inconsciente do outro deseja se comunicar. A fala do cliente está impregnada de uma lamentação irritante; o mesmo está incrédulo diante do rompimento de sua noiva. Ele falava tentando entender como pode acontecer o noivado esfacelar-se; estava tudo acertado. Apartamento escolhido; móveis encomendados e projeto gráfico do convite em andamento. É bem verdade que a respiração diafragmática do cliente apontava elevado nível de ansiedade; depois que o pulmão recobrou a consciência de sua função visceral as cordas vocais formaram a frase que teimava em sair: EU FIZ TUDO POR ELA! Numa tentativa de entender melhor tal assertiva perguntei, pontuei e sumarizei o discurso; haja vista que pressentia que o mesmo tinha dado como certo que eu havia entendido o que ele estava a dizer. A expressão TUDO era uma incógnita naquele discurso; quem sabe estivesse querendo dizer perfeito, completo; pleno. Naquele instante me lembrei de Fernando Pessoa"Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter; repugná-la-íamos, se a tivéssemos. O perfeito é o desumano, porque o humano é imperfeito." Na verdade essa afirmação é recorrente não só num processo terapêutico; mas a mesma tangencia qualquer conversa de fim de noite; ou de mesa de bar. De modo geral essa frase é dita por aqueles que sempre se sentiram inferiorizados na relação; olha você deve concordar comigo que quando estamos inseguros e atravessados pela sensação de menos valia deixa-se de lado o pouco que resta de minha autoestima para alavancar a realização do desejo alheio. Então ter feito tudo por ela foi o atalho encontrado para esquecer-se de si mesmo; talvez para diminuir a sensação iminente da perda. E por conseqüência NÃO TER FEITO NADA POR MIM. Então nessa falta de medida acaba-se anulando em prol do seu parceiro ou namorado. Nessa tentativa de fazer tudo nos esquecemos de nos fazer interessantes e sermos conquistados também. Na verdade você deve se perguntar se ao fazer tudo você não está também tentando não deixar a realidade se fazer presente na relação? É muito comum esse tipo de pessoa se sentir culpado por não ter adivinhado o que o outro queria. Então tudo é demais para alguém que está numa relação limitada pela própria condição humana. O dia que você por algum motivo você não conseguir ser esse tudo você pode ser visto como o NADA; então incorporar as vestes do humano; da limitação e da falta faz bem pra qualquer relação. Então fazer tudo é o primeiro passo para o enfado; até porque sabemos que o que move o humano é a falta. Então é importante demais fazer pelo outro; na verdade quando fazemos pelo outro de um modo que aquilo não nos custa nada; a nossa memória entra em colapso e não tem a necessidade de lembrar; ou seja, o famoso “jogar na cara”. Quando eu faço TUDO pelo outro desrespeitando suas possibilidades gera em mim uma dívida comigo mesmo; meu self sente-se violentado e usurpado. E não demora muito vem à decepção de mãos dadas com amargura e bate a porta da consciência e aciona a memória num ato tardio e desesperador de cobrança do que foi feito mais por medo do que por amor.

Dr.Marcos Bersam